Serviço Jesuíta aos Refugiados

O Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS) é uma organização internacional da Igreja Católica, fundada em 1980, sob responsabilidade da Companhia de Jesus. O JRS tem como missão «Acompanhar, Servir e Defender» os refugiados, deslocados à força e todos os migrantes em situação de particular vulnerabilidade, estando atualmente presente em cerca de 50 países no mundo.

Em Portugal, o JRS é criado em 1992, e desde então, a atuação junto dos nossos utentes tem-se desenvolvido nas seguintes áreas: apoio social, apoio psicológico, apoio médico e medicamentoso, apoio jurídico, encaminhamento e apoio à integração profissional, alojamento de imigrantes sem-abrigo, em situação de particular vulnerabilidade social (Centro Pedro Arrupe), acompanhamento a imigrantes detidos (Unidade Habitacional de Santo António), Cursos de Língua Portuguesa e ações de formação, entre outras.

O JRS Portugal é ainda responsável pela Coordenação-geral da Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e pela gestão e acompanhamento técnico do Centro de Acolhimento de Refugiados (CATR) da Câmara Municipal de Lisboa. Para além da sua forte atuação na área da integração de migrantes e requerentes e beneficiários de proteção internacional, o JRS – Portugal desenvolve ainda ações baseadas na sua reflexão sobre a ação no terreno, quer a nível nacional, quer a nível internacional.

Saiba mais aqui.

Visão

Uma sociedade marcada por uma cultura de hospitalidade enriquecedora para todos e onde os migrantes, particularmente os mais vulneráveis, encontrem condições para a sua participação ativa como cidadãos de pleno direito e acedam aos meios necessários à sua autonomia.

Valores

Compaixão que impele a aliviar o sofrimento, criando empatia com o outro e tratando-o com respeito e dignidade.
Esperança que os migrantes podem reencontrar e que seja uma resposta ao seu sofrimento e às suas dificuldades.
Solidariedade que nos leva a estar em comunhão com os migrantes, tentando dar resposta aos seus problemas e colocando-nos lado a lado para a construção de uma sociedade mais inclusiva.
Hospitalidade que nos inspira a reunir as melhores condições de acompanhamento dos migrantes para que se sintam acolhidos e no centro da missão do JRS.
Justiça que nos compromete a trabalhar com os migrantes no sentido da defesa dos seus direitos, para que possam ser membros ativos e de pleno direito na nossa sociedade.
Participação que encoraja a corresponsabilidade, o discernimento e a tomada de decisão conjunta.

Princípios

Identidade Cristã

A ação do JRS Portugal é inspirada pela Doutrina Social da Igreja e pela visão cristã e inaciana da pessoa e do mundo.

Sustentabilidade

A atividade do JRS é desenvolvida tendo em consideração estratégias que conduzam a um equilíbrio financeiro, técnico e ambiental.

Responsabilidade e Proatividade

O JRS promove a liberdade e a autonomia de atuação no desenvolvimento das suas atividades, recorrendo apenas a instâncias superiores quando se vê incapaz de levar a cabo a tarefa autonomamente.

Trabalho em parceria

É fundamental desenvolver com terceiros um trabalho em parceria para que sejam encontradas soluções articuladas para os graves problemas que afetam os migrantes.

Trabalho integrado
e em equipa

A ação articulada entre as várias equipas do JRS é essencial para uma resposta integrada às múltiplas necessidades dos migrantes que nos procuram.

Avaliação e transparência

Para aferir resultados e o impacto da atuação do JRS é fundamental a monitorização e supervisão, recorrendo à avaliação interna e externa, bem como à autoavaliação, e assim, cultivar uma clareza e transparência nas ações e resultados obtidos.

Jesuítas

A Companhia de Jesus é uma ordem religiosa da Igreja Católica.
Foi fundada por Sto. Inácio de Loiola e seus companheiros em 1540.

Presidente 

Miguel Nuno Maria de Siqueira de Almeida, Sj

Vice-Presidente 

António Pimentel Ferreira de Magalhães Sant’Ana, Sj

Secretário 

Joaquim José Leite de Castro Fraga

Presidente
Domingos Alberto Rodrigues de Freitas, Sj

Vice- Presidente
Francisco Maria Sassetti da Mota, Sj

Secretário
Nuno Filipe dos Reis Marques

Tesoureiro
João Martins Barata Lima

Vogal

José António Barreto de Almeida Barreiros

Presidente
Francisco Salvador Cardoso Rodrigues, Sj

Vogal
Cláudia Maria Alves Rêgo de Almeida

Vogal
Vera Mónica Luís Marques