Serviço Jesuíta aos Refugiados

O Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS) é uma organização internacional da Igreja Católica, fundada em 1980, sob responsabilidade da Companhia de Jesus. O JRS tem como missão «Acompanhar, Servir e Defender» os refugiados, deslocados à força e todos os migrantes em situação de particular vulnerabilidade, estando atualmente presente em cerca de 50 países no mundo.

Em Portugal, o JRS é criado em 1992, e desde então, a atuação junto dos nossos utentes tem-se desenvolvido nas seguintes áreas: apoio social, apoio psicológico, apoio médico e medicamentoso, apoio jurídico, encaminhamento e apoio à integração profissional, alojamento de imigrantes sem-abrigo, em situação de particular vulnerabilidade social (Centro Pedro Arrupe), acompanhamento a imigrantes detidos (Unidade Habitacional de Santo António), Cursos de Língua Portuguesa e ações de formação, entre outras.

O JRS Portugal é ainda responsável pela Coordenação-geral da Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e pela gestão e acompanhamento técnico do Centro de Acolhimento de Refugiados (CATR) da Câmara Municipal de Lisboa. Para além da sua forte atuação na área da integração de migrantes e requerentes e beneficiários de proteção internacional, o JRS – Portugal desenvolve ainda ações baseadas na sua reflexão sobre a ação no terreno, quer a nível nacional, quer a nível internacional.

Saiba mais aqui.

Visão

Uma sociedade marcada por uma cultura de hospitalidade enriquecedora para todos e onde os migrantes, particularmente os mais vulneráveis, encontrem condições para a sua participação ativa como cidadãos de pleno direito e acedam aos meios necessários à sua autonomia.

Valores

Compaixão que impele a aliviar o sofrimento, criando empatia com o outro e tratando-o com respeito e dignidade.
Esperança que os migrantes podem reencontrar e que seja uma resposta ao seu sofrimento e às suas dificuldades.
Solidariedade que nos leva a estar em comunhão com os migrantes, tentando dar resposta aos seus problemas e colocando-nos lado a lado para a construção de uma sociedade mais inclusiva.
Hospitalidade que nos inspira a reunir as melhores condições de acompanhamento dos migrantes para que se sintam acolhidos e no centro da missão do JRS.
Justiça que nos compromete a trabalhar com os migrantes no sentido da defesa dos seus direitos, para que possam ser membros ativos e de pleno direito na nossa sociedade.
Participação que encoraja a corresponsabilidade, o discernimento e a tomada de decisão conjunta.

Princípios

Identidade Cristã

A ação do JRS Portugal é inspirada pela Doutrina Social da Igreja e pela visão cristã e inaciana da pessoa e do mundo.

Sustentabilidade

A atividade do JRS é desenvolvida tendo em consideração estratégias que conduzam a um equilíbrio financeiro, técnico e ambiental.

Responsabilidade e Proatividade

O JRS promove a liberdade e a autonomia de atuação no desenvolvimento das suas atividades, recorrendo apenas a instâncias superiores quando se vê incapaz de levar a cabo a tarefa autonomamente.

Trabalho em parceria

É fundamental desenvolver com terceiros um trabalho em parceria para que sejam encontradas soluções articuladas para os graves problemas que afetam os migrantes.

Trabalho integrado
e em equipa

A ação articulada entre as várias equipas do JRS é essencial para uma resposta integrada às múltiplas necessidades dos migrantes que nos procuram.

Avaliação e transparência

Para aferir resultados e o impacto da atuação do JRS é fundamental a monitorização e supervisão, recorrendo à avaliação interna e externa, bem como à autoavaliação, e assim, cultivar uma clareza e transparência nas ações e resultados obtidos.

Jesuítas

A Companhia de Jesus é uma ordem religiosa da Igreja Católica.
Foi fundada por Sto. Inácio de Loiola e seus companheiros em 1540.

Presidente 

Miguel Nuno Maria de Siqueira de Almeida, Sj

Vice-Presidente 

António Pimentel Ferreira de Magalhães Sant’Ana, Sj

Secretário 

Joaquim José Leite de Castro Fraga

Presidente
Domingos Alberto Rodrigues de Freitas, Sj

Vice- Presidente
Francisco Maria Sassetti da Mota, Sj

Secretário
Nuno Filipe dos Reis Marques

Tesoureiro
José António Barreiros;

Vogal

Inês Braizinha

Presidente
Francisco Salvador Cardoso Rodrigues, Sj

Vogal
Marina Teixeira

Vogal
Rosa Teixeira