Plataforma de Apoio aos Refugiados

O JRS juntou-se à Plataforma de Apoio de Refugiados (PAR) desde a primeira hora, sendo um dos seus membros fundadores e atualmente responsável pelo seu Secretariado Técnico.

A PAR foi criada no final do ano de 2015, depois de lançado um convite a um vasto conjunto de instituições da sociedade civil com vontade e disponibilidade para acolher e integrar famílias de refugiados em Portugal. Este repto coincidiu com o apelo do Papa Francisco para que cada paróquia acolhesse uma família de refugiados, o que resultou na adesão de dezenas de instituições e na participação de centenas de voluntários nesta causa, tendo a PAR sido considerado um exemplo notável da mobilização da sociedade civil a nível europeu no que diz respeito ao acolhimento de refugiados.

O Secretariado Técnico da PAR é desenvolvido pelo JRS  com base na experiência adquirida em projetos de acolhimento e integração de refugiados ao abrigo de programas de recolocação e reinstalação, bem como na integração de migrantes.

O Secretariado Técnico tem como principais funções mediar as relações entre as instituições anfitriãs PAR e os organismos da Administração Pública responsáveis pelo acolhimento, nomeadamente o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e o Alto Comissariado para as Migrações (ACM), proceder à análise e diagnóstico de ofertas de acolhimento por parte de instituições anfitriãs, realizar entrevistas-diagnóstico às famílias beneficiárias e definir os critérios de distribuição das famílias beneficiárias pelas diferentes instituições de acolhimento. Acresce ainda a criação e disseminação de materiais de apoio às instituições anfitriãs, o acompanhamento e apoio técnico e o desenvolvimento de meios de monitorização e avaliação.

O papel do JRS, enquanto Secretariado Técnico da PAR, pode resumir-se no seguinte esquema: